Dicas de Marcos Zotto

Aliviando Iscas para os Robalos.

As iscas estrangeiras, tem muitas qualidades, tais como acabamento, shapes (formatos) sem similar nas nacionais, material de primeira, cores exclusivas, e algumas beiram a perfeição, em termos de semelhança, com pequenos peixes.
O único problema, é que a grande maioria é produzida visando o black bass.
Um peixe lêntico, territorialista e na maioria das vezes, um peixe de fundo.
Bem diferente do robalo, que requer rapidez nos movimentos, e flutuabilidade rápida.
Sob o risco do robalo perceber que a isca é falsa.
Quantas vezes comprei aquela isca com formato, tamanho e cor perfeitos – a matadeira (no bom sentido), e me decepcionei ao pinchar.
Nada de a fulana flutuar.
Vinha subindo beeeeem devagar.
Pensava - que robalo no mundo vai atacar esta isca ?
Só se for um robalo suicida.
Ao contrário das excelentes nacionais, projetadas exclusivamente para o robalo, por pescadores do quilate de um Nelson Nakamura, um Edson Deconto e outros que sabem o que o bicho gosta.
Mas como conciliar esta tão sonhada flutuabilidade, com as belíssimas iscas estrangeiras ?
Bom, rs , só tem um jeito !
Furando as desgraçadas e substituindo o chumbo por rattlin´s de plástico. Haha
No começo, fiquei meio ressabiado em meter a broca nestas jóias.
Pensei – e vai que dá errado esta caca . rs
To ferrado, perco as minhas isquinhas e o meu rico dinheirinho. rs
Pensei, pensei, estudei cada caso e... ...decidi !
Vou aliviar umas três ou quatro e ver o que dá!
Dremel numa mão, isca na outra e seja o que Deus quiser !
A três primeiras cobaias foram pinchadas na água, com a mesma expectativa que os americanos lançaram a primeira Apolo.
Será que vai funcionar ?
E não é que funcionou ?
Fico bão demais, como diz o caboclo.
Agora mais tranqüilo, resolvi aliviar um lote maior.
Umas vinte desta vez.
Grandes, médias e pequenas.
Gordas magras e magrinhas.
De tudo um pouco.

Fase 1 - Esburacando as iscas !

1.Procure ter certeza que o furo será feito no lugar certo.
2.Coloque a isca contra uma lâmpada forte, para ver a estrutura interna.
Outro truque, é usar um imã para detectar o local do peso.
3.Faça primeiro, um furo pequeno, e vá escareando devagar.
Quanto menor o furo, melhor para remendar depois.
Um imã irá ajuda-lo bastante a retirar o peso.
Lembre-se, este é um trabalho artesanal e único.
Você não está fazendo nada em quantidade, e nem precisa terminar dentro de um prazo.
Então faça com muita calma, para fazer o melhor possível.










Fase 2 - Ajustando as tampas com um alicate de corte.

Em seguida use uma pedra de afiar, para o ajuste fino.
Usei policarbonato, mas pode usar o plástico comum de qualquer embalagem encontrada no lixo.
Se for uma isca transparente, procure usar plastico transparente também.
Se a isca for de cores sólidas, pode usar qualquer plástico, caso pretenda pintar o remendo.
A não ser que você queira manter o aspecto original da isca, o remendo que fica, não interfere em nada no que diz respeito ao ataque do peixe à isca.
Uma boa alternativa, é pingar uma gota de epóxi (araldite) em um pedaço de durex e colocar sobre o buraco.
Depois de seco, basta retirar o durex.
O epoxi seco irá vedar perfeitamente o buraco.



Estas iscas, estão com a tampa, aguardando para receber o epóxi. (araldite).












Fase 3 - Aqui as iscas já vedadas com epóxi (araldite), secando.









Estas ,usei acrilico polimerizável para vedar.
É uma alternativa muito boa também.
Depois de secas, aplica-se uma camada de verniz.
O resultado é mais profissional.
Quase não dá para dizer que foi feito um remendo.
Aqui ainda não apliquei o verniz, para poder mostrar o remendo do acrilico.













Para pinchar estas iscas menores, é necessário o equipamento certo, do contrário a única coisa que você vai conseguir, será uma bela cabeleira.
A vara precisa ser para cast 1/8 – ½ oz ou em gramas 3,5 – 14,0 gr.
Alternativamente você pode usar uma vara com cast 3/16 – 5/8 oz ou em gramas 5 – 17 gr.
O comprimento da vara deve preferencialmente ser o mais próximo possível da sua altura.
Então se você mede 1,80, deverá usar uma vara de 6’0 pés.
Ou 5’8 = 1,74
Ou 5’7 = 1,71
E assim vai.
A linha tem que obrigatoriamente ser multifilamento.
A razão deve-se ao fato de que a multi tem total ausência de memória, o que no caso destas iscas que tem o peso entre 3 e 4 gramas, é fundamental.
Eu, particularmente, uso a Fireline de 10 libras, da Berkley.
Uma carretilha bem solta, andando muito, também é necessária.
O cast da vara, não pode ser desprezado, senão o conjunto não funciona.
Varas com este cast não são fáceis de encontrar.
Pelo menos as baratas, que nós pobres mortais podemos pagar.
Porque das caras importadas, tem aos montes.
Quando for comprar a vara, esqueça a libragem e concentre-se no cast.
É ele que determina as características da vara, que neste caso precisa ser média rápida, do contrario não carrega a flexibilidade correta para pinchar estas iscas superleves.
Vendedores vão dizer que não faz diferença e bla bla bla.
Lembre-se, na grande maioria das vezes, vendedores não são pescadores tão técnicos como você, e muitos jamais fizeram uma pescaria de robalo com iscas artificiais.
Só camarão vivo, e na rodada.
A verdade, é que depois de tudo pronto, equipamento e iscas.
O resultado aparece, e justifica o empenho.
Uma vara que atende estas características e custa mais ou menos 100,00 reais, é esta aqui:
Otoni – New Era – modelo TNE 962-C

Tire muitas fotos e solte muitos peixes.

Boa pescaria.